OS SETE SABERES DE EDGAR MORIN

OS SETE SABERES DE EDGAR MORIN. Para Morin existem sete saberes fundamentais que a educação do futuro
deveria tentar em toda a sociedade e em toda cultura, sem exclusividade e
rejeição, segundo modelos e regras próprias a cada sociedade e a cada cultura.

Os sete saberes necessários:

1. As Cegueiras do Conhecimento: o erro e a ilusão – é impressionante que
a educação que visa transmitir conhecimentos seja cega quanto ao que é
o conhecimento humano, seus dispositivos, enfermidades, dificuldades,
tendências ao erro e à ilusão e não se preocupar em fazer conhecer o
que é conhecer. O conhecimento do conhecimento é fundamental para enfrentar a tendência ao erro e à ilusão. O conhecimento não pode ser
considerado uma ferramenta ready made. É preciso conhecer as disposições
tanto psíquicas quanto culturais que conduzem ao erro e à ilusão.

2. Princípios do Conhecimento Pertinente – a atual supremacia do
conhecimento fragmentado impede operar o vínculo entre as partes e a
totalidade. O conhecimento precisa apreender os problemas globais e
fundamentais para neles inserir os conhecimentos parciais e locais.
Assim, é necessário ensinar os métodos que permitam estabelecer as
relações mútuas e as influências recíprocas entre as partes e o todo em
um mundo complexo.

3. Ensinar a Condição Humana – o ser humano é a um só tempo físico,
biológico, psíquico, cultural, social e histórico. Essa unidade complexa é
tratada pela educação de forma desintegrada por intermédio das disciplinas.
A educação deve fazer com que cada um tome conhecimento de
sua identidade comum a todos os outros humanos. Assim, a condição
humana deveria ser o objeto essencial de todo o ensino. É preciso reunir
os conhecimentos dispersos nas ciências da natureza, nas ciências
humanas, na literatura e na filosofia para se obter uma visão integrada
da condição humana.

4. Ensinar a Identidade Terreno – o destino planetário do gênero humano
é outra realidade-chave ignorada pela educação. É preciso ensinar a
história da era planetária, que se inicia com o estabelecimento da
comunicação entre todos os continentes no século XVI, e mostrar como
todas as partes do mundo se tornaram solidárias, sem, contudo, ocultar
as opressões e a dominação que devastaram a humanidade e que ainda
não desapareceram. Será preciso indicar o complexo de crise planetária
que marca o século XX mostrando que todos os seres humanos partilham
de um destino comum.

5. Enfrentar as Incertezas – a educação deveria incluir o ensino das
incertezas que surgiram nas ciências físicas, nas ciências da evolução
biológica e nas ciências históricas. Seria necessário ensinar princípios
de estratégia que permitissem enfrentar os imprevistos, o inesperado e a
incerteza. O abandono das concepções deterministas da história humana
que acreditavam poder predizer nosso futuro e o estudo dos grandes
acontecimentos e desastres do nosso século devem incitar os educadores
e preparar as mentes para esperar o inesperado, para enfrentá-lo.

6. Ensinar a Compreensão – a educação para a compreensão está ausente
do ensino. O planeta necessita em todos os sentidos da compreensão
recíproca. O ensino e a aprendizagem da compreensão pedem a reforma
das mentalidades. Esta deve ser a obra para a educação do futuro.
Daí deriva a necessidade de estudar a incompreensão a partir de suas
raízes, suas modalidades e seus efeitos, como por exemplo, as causas
do racismo, da xenofobia, do desprezo. O ensino da compreensão será a
base para o desenvolvimento de uma cultura de paz.

7. A Ética do Gênero Humano – a educação deve conduzir a “antropoética”,
levando em conta o caráter ternário da condição humana, que é
ser ao mesmo tempo indivíduo/sociedade/espécie. A ética indivíduo/
espécie necessita do controle mútuo da sociedade pelo indivíduo e
do indivíduo pela sociedade, ou seja, a democracia. Esse tipo de visão
educativa conduz à cidadania terrestre. Todavia, a ética não pode ser
ensinada por intermédio de lições morais. Seu ensino deve abarcar o
desenvolvimento conjunto das autonomias individuais, das participações
comunitárias e da consciência de pertencer à espécie humana.
A educação deve permitir e ajudar o desenvolvimento da consciência de
nossa Terra-Pátria devido ao próprio destino comum de todos nós.

Fundamentos da Nova Educação, Cadernos UNESCO — Série EDUCAÇÃO Volume 5